comunidade
cancelar
Mostrando resultados para 
Pesquisar então 
Você quer dizer: 

Base de conhecimento - Português

Este artigo faz parte da Série Domínio de Ferramentas, uma compilação de contribuições da Base de conhecimento para apresentar diversos exemplos de trabalho para as ferramentas do Designer. Aqui, exploraremos usos para a ferramenta Tabela de referência cruzada, como parte de nosso percurso para dominar o Alteryx Designer:   Às vezes, você olha para o amontoado de dados na sua frente e se pergunta como poderá organizá-lo da maneira que precisa. Cada opção parece exigir uma grande quantidade de trabalho manual e, sendo o profissional em combinação de dados que você é, isso é algo que você não irá tolerar.   Em situações como essas, talvez você queira agitar um pouco as coisas. Não há melhor ferramenta para isso do que a Tabela de referência cruzada, uma poderosa ferramenta que permite remodelar seus dados do jeito que quiser, permitindo assim abordar seu problema de um novo ângulo. Neste artigo, vou demonstrar alguns casos de uso para mostrar como aproveitar essa ferramenta incrível.   Caso de uso 1: extrair dados dinâmicos de modo mais fácil por meio da atribuição de grupos   Os dados? Você recebe uma lista que se parece com o primeiro campo (Field_1) abaixo. O PMID é o número identificador (ID) de um artigo de um periódico médico em um banco de dados. Cada FAU se refere a outro autor no artigo. Um artigo pode ter qualquer número de autores.     O objetivo? Uma tabela com números de ID no primeiro campo e colunas correspondentes para autores.     Como? Prepare os dados filtrando e separando o identificador. A terceira coluna acima, "Field_12", mostra os dados utilizáveis. Use uma Fórmula de múltiplas linhas para identificar a coluna de ID e as colunas de autor exclusivamente. Nesse caso, cada número de ID é representado por "0" e os autores são contados de zero até que se atinja outro ID. Veja a coluna "Headers" (cabeçalhos). Use outra Fórmula de múltiplas linhas para associar cada grupo de cabeçalhos entre si. Cada grupo é basicamente um identificador de registro - identifica um único artigo na base de dados. Veja a coluna "Groups" acima. Tabela de referência cruzada! Por meio dessas colunas de identificação, é possível deslocar seus dados para que cada um dos Cabeçalhos crie uma coluna e cada um dos Grupos crie uma linha. Veja a janela de configuração na primeira imagem acima.   Caso de uso 2: realizar cálculos dinamicamente para qualquer quantidade de campos   Os dados? Um punhado de campos numéricos, ilustrados abaixo. Eles são agrupados por um campo de categoria (Category) e você adicionou um campo identificador exclusivo para cada registro (RecordID).     O objetivo? Médias móveis para cada coluna dentro de sua respectiva categoria.     Como? Em vez de gerar uma fórmula de múltiplas linhas para cada coluna, tente Transpor tudo para uma única coluna e marque como Campos-chave "RecordID" e "Category". Veja a janela de configuração na primeira imagem. Isso resulta na saída abaixo. Embora possa parecer ainda mais difícil de trabalhar, isso permite que você calcule a média móvel de uma só vez. Utilize uma ferramenta Fórmula de múltiplas linhas para calcular uma média. Você pode facilmente evitar selecionar os valores errados utilizando a opção Agrupar por - marque “Category” e “Name”. Certifique-se também de definir Valores de linhas que não existem para a linha válida mais próxima. Reestruturar usando a Tabela de referência cruzada! (Agrupar por “RecordID”, cabeçalhos de “Name”, dados de “r3”)   Caso de uso 3: lógica complicada facilitada com metodologias de Tabela de referência cruzada   Os dados? Você tem uma lista de todas as combinações possíveis de 5 itens. Para cada combinação, um número de linhas correspondente ao número de itens lista o peso e o valor de cada item - isto é, a combinação 123 será representada três vezes, com informações para o item1, item2 e item3.     O objetivo? Você deseja otimizar a sua seleção de itens para atender a determinados critérios, como peso mínimo e valor máximo.          Como? Utilize uma ferramenta Fórmula para adicionar uma coluna para o peso, "Weight", conforme mostrado na primeira imagem. Utilize a Tabela de referência cruzada com o método "Soma" para encontrar o peso combinado de todos os itens em cada combinação. O cabeçalho "Weight" agrupará todos os valores de "kg" e o agrupamento por "Combinações" criará uma linha para cada combinação. Repita isso para "Value" ($).  Dica de profissional: renomear campos     Uma desvantagem da ferramenta Tabela de referência cruzada é que ela não funciona bem com caracteres especiais em cabeçalhos de campo, incluindo espaços. Isso significa que, se você tiver um cabeçalho de campo "a a", ele será exibido como "a_a". Sei que isso pode ser um pouco inconveniente, mas, quando estávamos desenvolvendo o mecanismo Alteryx, demos prioridade para velocidade e eficiência em vez de manter os cabeçalhos de campo com boa aparência. Mas não se preocupe - há uma solução totalmente viável para esse problema (mais de uma, na verdade!), que utiliza uma ferramenta fantástica chamada Renomeação dinâmica. Geralmente, prefiro fazer isso desta forma:     Para os fluxos de trabalho mostrados nesses casos de uso, consulte o pacote suplementar do Alteryx. É possível que você receba um erro ao extrair o conteúdo, mas isso não afetará a execução do fluxo de trabalho.   A esta altura, você já aprendeu a ponto de ter a proficiência de um especialista na ferramenta Tabela de referência cruzada! Se puder pensar em um caso de uso que deixamos de fora, não hesite em usar a seção de comentários abaixo! Você já se considera um mestre das ferramentas? Entre em contato conosco pelo e-mail community@alteryx.com caso queira que seus usos criativos para ferramentas sejam exibidos na Série Domínio de Ferramentas.   Fique atento às nossas publicações mais recentes de Tool Tuesday toda terça-feira seguindo a Alteryx no Twitter! Se quiser dominar todas as ferramentas do Designer, inscreva-se para receber notificações por e-mail.
Ver artigo completo
Se estiver interessado em executar o Alteryx no seu Mac, dê uma olhada nas sugestões a seguir.  Não se esqueça que, no momento, o Alteryx não é oficialmente compatível, mas, por entendermos que temos clientes com essa necessidade, gostaríamos de ser proativos sobre os benefícios e as deficiências da execução do Alteryx em um Mac por meio de ambiente virtual.   Embora o Alteryx seja nativo do Windows, há duas maneiras de instalar o Alteryx em um Mac. 1) Utilize o BootCamp – Integrado ao OSX. 2) Utilize um produto de máquina virtual (emula o Windows no OSX) – VMWare ou Parallels, dentre outros.   BootCamp - Prós · Acesso completo ao hardware para necessidades mais pesadas de CPU (o Alteryx será executado mais rapidamente na Configuração de BootCamp). · Gratuito, incluído em todos os Macs novos. · Facilidade de configuração no Mac para partição BootCamp.     BootCamp - Contras · Mais "geek", exige mais conhecimento e habilidades com computadores. · É necessário inicializar no OSX ou no Windows durante a inicialização mantendo a tecla de opção pressionada (para alternar se outro estiver configurado para iniciar primeiro). · Pega malware como um PC, difícil de erradicar, pode afetar o OSX. · É necessário manter a partição do OSX na unidade para atualizações, firmware, reparos. · Mais difícil de consertar e reparar do que um PC genérico para o qual o software de terceiros para Windows foi projetado. · Tem suporte apenas para o Windows 7 (a versão recente do OSX também tem suporte para o Windows 8).   Software de máquina virtual - Prós . Executa o SO convidado em uma janela no OSX, mais fácil para usuários novos e para aqueles que ainda não estão seguros. . Fácil de alternar do OSX para o Windows para o Linux de um lado para o outro, até quantos sistemas operacionais sua RAM puder suportar. . As versões comerciais do software da VM podem copiar o BootCamp atualmente instalado e utilizar esse Windows no OSX para obter o melhor das versões da máquina virtual E do BootCamp. . Mais fácil de utilizar, os "instantâneos" do estado do SO convidado podem ser revertidos em segundos para atualizações/problemas de malware. . Executa a maioria das versões de SO, Windows XP, Vista, 7, 8, Linux e edições OSX Server apenas (VMed Lion em Lion, ok). . Execute mais de um SO convidado ao mesmo tempo com RAM e espaço em disco suficientes. . Mais fácil de usar para a maioria dos programas de SO convidado leves, sem necessidade de inicialização dupla, execute o SO convidado como um arquivo em um programa. . Algumas possibilidades de integração, copiar e colar, pastas compartilhadas etc. entre os dois ou mais SOs. . Mais fácil de escapar de problemas por meio do software da máquina virtual ou do "Forçar encerramento" do OSX.   Software de máquina virtual - Contras . O SO convidado não tem acesso ao hardware, sem Direct X, animação 3D limitada/lenta aprox. 1/5 da velocidade como inicialização nativa, realmente só mostra jogos 3D etc. . Exige mais RAM, máquina mais potente: mais de 4 núcleos, mais de 4GB de RAM, de preferência placa de vídeo dedicada. (2 núcleos de 2GB de RAM possível, mas não recomendado). . É necessário compartilhar RAM e núcleos com o OSX. . Não é possível executar as versões OSX Client (exceto Lion em Lion), pois a Apple assim solicitou. Gostaria de agradecer David Sommers por sua ajuda na elaboração desta diretriz! Até a próxima! Chad Siga-me no Twitter! @AlteryxChad  
Ver artigo completo
Neste artigo, veremos como aproveitar uma macro de lote para ler múltiplas planilhas de múltiplos arquivos do Excel usando a versão 10.0 do Designer. Os dois arquivos do Excel usados no exemplo são chamados Fruits e Vegetables, com planilhas chamadas Apples, Oranges, Broccoli e Spinach, respectivamente.   O primeiro passo será ler a lista de nomes das planilhas de um dos arquivos do Excel usando uma ferramenta Dados de entrada. Esse é um novo recurso da versão 10.0 e é um excelente contributo quando usado em conjunto com a ferramenta Entrada dinâmica.   Podemos, então, conectar nossa ferramenta Dados de entrada da etapa anterior a uma ferramenta Entrada dinâmica. Na configuração, utilize o mesmo arquivo do Excel usado como modelo de fonte para a ferramenta Dados de entrada. Podemos utilizar o campo "Sheet Names" (Nomes das Planilhas) da nossa ferramenta Dados de entrada como a Lista de fontes de dados e nossa ação será Alterar nome do arquivo/tabela.   Agora estamos prontos para adicionar nossas ferramentas de Interface à tela. Arraste uma ferramenta Parâmetro de controle, duas ferramentas Ação e uma Saída de macro. Conecte o Parâmetro de controle às duas ferramentas Ação e, em seguida, conecte-as à Dados de entrada e à Entrada dinâmica. A Saída de macro será conectada à âncora de saída da Entrada dinâmica.   Na configuração da nossa ferramenta Ação, o tipo de ação será Atualizar valor. Queremos atualizar o Arquivo – valor que está sendo passado para as ferramentas Dados de entrada e Entrada dinâmica. No entanto, precisaremos atualizar apenas a parte da cadeia de caracteres sem o nome da planilha, motivo pelo qual também selecionaremos Substituir uma cadeia de caracteres específica: isso permitirá que nosso processo aconteça em lote para vários arquivos.   Por fim, se nossos arquivos do Excel tiverem esquemas diferentes, podemos ajustar, no Interface Designer, a macro para Configurar automaticamente por nome ou posição, para que nosso fluxo de trabalho não gere erros. Observação: as planilhas dentro de um mesmo arquivo deverão ter o mesmo esquema. Agora estamos prontos para salvar a macro e colocá-la em uso!   Agora, em uma nova tela, podemos colocar uma ferramenta Diretório (se todos os seus arquivos do Excel estiverem em um só diretório) ou podemos utilizar uma Entrada de texto para inserir manualmente cada local de caminho de arquivo individual. Após a ferramenta Diretório ou Entrada de texto, insira sua macro (clique com o botão direito do mouse na tela->inserir->macro) e escolha o caminho completo (FullPath) na configuração da macro. Adicione uma ferramenta Navegar, aperte executar e veja os resultados!     Agora podemos ler múltiplas planilhas do Excel contidas em múltiplos arquivos do Excel!   O pacote de fluxo de trabalho anexo inclui um fluxo de trabalho, uma macro de lote e arquivos do Excel criados no Alteryx v.10.0   Tony Moses Representante de Assistência ao Cliente  
Ver artigo completo
Frequentemente, ao importar dados para o Alteryx, muitos usuários adicionam uma ferramenta Selecionar para verificar o tipo e a estrutura dos dados. Os tipos dos dados são muito importantes, pois as operações/funções disponíveis nas ferramentas podem ser ajustadas para se adaptarem ao tipo de dados que está sendo utilizado!   Por exemplo, ao utilizar a ferramenta Filtrar básica, um campo de cadeia de caracteres será preenchido com operadores de cadeia de caracteres, como "Igual a" ou "Contém", enquanto um campo numérico terá operadores como ">=" ou "É nulo".   Como verificar/alterar seus tipos de dados?   Ferramenta Campo automático      Utilize a ferramenta Campo automático para avaliar seu conjunto de dados em cada execução e deixe que o Alteryx decida qual deve ser o tipo e o tamanho. À medida que seus dados forem alterados, a ferramenta Campo automático ajustará o tipo e o tamanho definidos. Isso é especialmente útil para acelerar o processamento de dados porque o Alteryx procurará atribuir o tamanho e o tipo de dados mais eficientes. Essa ferramenta não é perfeita e, em alguns casos, é possível que você não queira que o Alteryx decida. Por exemplo, um campo de CEP será exibido para o Alteryx como números e o Alteryx o definirá como um tipo de número, fazendo com que você perca todos os zeros no início dos CEPs de Massachusetts. Nesse caso, seria melhor utilizar uma ferramenta Selecionar.   Ferramenta Selecionar     Com a utilização da ferramenta Selecionar, o Alteryx não avalia os dados e os dados que não se ajustarem ao novo tipo especificado serão substituídos por [Null]. Ao decidir sobre o tamanho do campo, certifique-se de que você sabe o comprimento da cadeia de caracteres, pois ela será truncada se exceder o comprimento especificado. Para os tipos numéricos, o tamanho não é configurável, mas é possível usar o decimal fixo (FixedDecimal) se desejar precisão. Os dados muito longos são arredondados (normalmente para 6 casas decimais).     Os decimais fixos são a exceção - você utiliza o formato de comprimento do número e um ponto seguido pelo número de casas decimais.   O que acontece quando importo meus dados para o Alteryx? Os tipos de dados são aplicados a toda a coluna/campo e a cada valor dentro dessa coluna. O Alteryx irá mapear automaticamente os tipos recebidos de bases de dados e arquivos estruturados (Excel) e definir o melhor tipo dentro de uma tabela do Alteryx.   Tipos de dados de cadeias de caracteres As cadeias de caracteres são tudo aquilo que você quer manter como está. Uma cadeia de caracteres (String) é qualquer combinação de caracteres, alfanuméricos e símbolos. Você também utilizará um tipo String se o campo for de valores mistos, com números em uma célula e palavras em outra. String e Wstring têm comprimentos definidos. Os tipos V_string são variáveis em comprimento. A quantidade de memória reservada para processamento varia. Wstring captará caracteres internacionais, como japonês ou chinês. V_String é vantajoso porque é flexível o suficiente para não truncar os campos, mas também maximizará o tempo de processamento devido ao ajuste do comprimento das cadeias de caracteres.   Tipos de dados numéricos Números ou campos numéricos contêm apenas números. TENHA CUIDADO com tipos de campos numéricos e valores com zeros à esquerda (como 01 - o zero é descartado e o número aparecerá apenas como 1). Tenha isso em mente se estiver trabalhando com CEPs. Byte é um número inteiro pequeno. Integer é um número inteiro em que 16, 32 e 64 são o tamanho do número (números maiores precisam de mais espaço). FixedDecimal é normalmente utilizado para valores monetários, no entanto, você deve ficar atento a números que serão usados em cálculos e acumulados. Float e Double são os números mais precisos, porém, eles não são bons para comparação quando você está tentando ver se um valor é igual a outro.   Tipos de dados de data e hora O formato de data e hora do Alteryx é específico e pode exigir alguma manipulação nos dados para que fiquem no formato do Alteryx e seja possível utilizar as funções de data e hora em uma ferramenta Fórmula. Os formatos são: Date – AAAA-MM-DD Date Time: AAAA-MM-DD HH:MM:SS Time: HH:MM:SS   Às vezes pode ser difícil trabalhar com datas; por isso, temos algumas ferramentas excelentes que podem ser utilizadas para colocar seus campos de data no formato do Alteryx.   Macro DataHora A ferramenta DataHora transforma dados de data/hora de e para uma variedade de formatos, incluindo formatos que podem ser usados em expressões e que sejam legíveis por humanos. @AlexKo Macro Analisar datas Com o peso de 55 ferramentas do Alteryx, essa macro está chegando entre as 5 mais baixadas do Alteryx Gallery. Esta macro irá evitar muitas dores de cabeça durante a análise de datas e tornar o trabalho com datas divertido! Tipos de dados booleanos Booleano significa simplesmente verdadeiro ou falso e é útil para sinalizar dados. Sinalizador condicional, em que 1 = verdadeiro e 0 = falso   Tipos de dados de objetos geográficos Objetos geográficos são objetos espaciais como centroides e polígonos utilizados para mapeamento. O Alteryx pode importar objetos geográficos de tipos de arquivos de dados como osESRI Shapefiles. Contudo, se você tiver uma latitude e uma longitude no Excel, é possível utilizar nossa ferramenta Criar pontos para criar objetos geográficos no Alteryx. Se desejar obter mais informações sobre tipos de dados, consulte nossa Ajuda do Alteryx  
Ver artigo completo