comunidade
cancelar
Mostrando resultados para 
Pesquisar então 
Você quer dizer: 

Base de conhecimento - Português

Este artigo faz parte da Série Domínio de Ferramentas, uma compilação de contribuições da Base de conhecimento para apresentar diversos exemplos de trabalho para as ferramentas do Designer. Aqui, exploraremos usos para a ferramenta RegEx, como parte de nosso percurso para dominar o Alteryx Designer:   A ferramenta RegEx é como o canivete suíço da análise no Alteryx; há muitas maneiras de utilizá-lo para fazer as coisas com mais rapidez ou eficácia, mas mesmo que você use apenas a lâmina, ele ainda é extremamente útil. Às vezes, isso é tudo de que você precisa, mas se você investir um tempo para descobrir como utilizar algumas outras ferramentas desse canivete, começará a perceber que não há muito que você não possa fazer com ele.   Antes e depois de utilizar a ferramenta RegEx.   RegEx: é boa para quê?   RegEx é uma abreviação do termo em inglês Regular Expression, e você pode pensar nela como se fosse um outro idioma. Ela utiliza símbolos como qualquer outro idioma, mas em expressões regulares esses símbolos são usados para fazer correspondência com sequências de letras, números ou caracteres em um texto. É uma linguagem para reconhecimento de padrões.   Humanos são muito bons nesse tipo de coisa - digamos que eu mostre a você este bloco de texto:   3345 Michelson Drive, Suite 400, Irvine, CA 92612 12303 Airport Way, Suite 250, Broomfield, CO 80021 Two North Riverside Plaza, Suite 1430, Chicago, IL 60606   Você não teria dificuldades para me dizer que esses são endereços, nem qual parte é um número de rua ou um nome de cidade. Mas um computador só enxergaria um bloco de texto e não verificaria se possui endereços ou não. A RegEx é uma maneira de "reconhecer" dados úteis em um texto. Vamos "traduzir" isso para uma versão RegEx:   3345 ^/d+  O ^ significa o começo de uma linha em RegEx, então é uma boa prática incluí-lo no seu padrão inicial. Aqui, nosso padrão é /d, que significa "qualquer caractere numérico" (0-9). O + significa que queremos fazer correspondência com a expressão anterior uma ou mais vezes. Como a primeira parte do endereço é um número de rua, isso nos permite ter um número de qualquer tamanho. Michelson Drive [^/d]+ Para fazer correspondência com a rua, temos que permitir que nossa expressão pegue várias palavras de caracteres, incluindo qualquer número de espaços, já que nomes de ruas geralmente têm mais de uma palavra. Uma maneira de fazer essa correspondência é por meio do que não esperamos encontrar, usando [^...]. Essa notação de agrupamento corresponde a "qualquer caractere não listado aqui". Ao fim, significa fazer correspondência uma ou mais vezes com qualquer caractere que não seja um número. Suite 400 .* A próxima parte de um endereço é o número de apartamento/sala comercial, que pode ou não estar presente, e pode potencialmente assumir várias convenções de nomenclatura. Para definir uma expressão flexível que corresponda a qualquer coisa que estiver ali, podemos usar um . para corresponder a "qualquer caractere". O * significa que podemos fazer correspondência a qualquer caractere zero ou mais vezes. Irvine [^/d]+ Novamente, isso significa apenas "qualquer caractere que não seja um número".  CA /u{2} Para fazer correspondência ao estado, podemos utilizar /u, que significa "qualquer letra maiúscula". Como se espera que a sigla do estado sempre seja uma sequência de duas letras, também podemos especificar o tamanho da correspondência utilizando {...} após nossa expressão ou "corresponder a quaisquer duas letras maiúsculas". 92612 /d{5}$ O código postal também será composto por 5 dígitos, portanto, podemos fazer algo semelhante para dizer "faça correspondência com cinco caracteres numéricos". Em seguida, podemos adicionar $ para dizer que esse deve ser o fim da linha atual.    Ferramentas básicas   Existe uma grande quantidade de símbolos que são utilizados para elaborar expressões RegEx, mas o Alteryx fornece uma boa "cola" na ferramenta para você.   Você não precisa muito mais do que isso para começar a usar a RegEx e, como normalmente é no Alteryx, você descobrirá que existem muitas maneiras de criar uma expressão que corresponda a um padrão. Portanto, não se preocupe muito com os detalhes e não tenha medo de passar algum tempo aprendendo com o bom e velho método de "tentativa e erro".   Não se preocupe, fui treinado com o método clássico.   Para guias mais completos sobre RegEx, consulte também o Guia Boost-Extended Format String Syntax, assim como o Guia de Sintaxe Perl RegEx.   O Alteryx estruturou a funcionalidade da RegEx em quatro métodos: Corresponder, Analisar, Substituir e Tokenizar. Nossa documentação de ajuda para esses métodos também é muito boa.   Corresponder   O método Corresponder simplesmente verifica se uma cadeia de caracteres pode ser descrita pela expressão regular fornecida e gera um Verdadeiro ou Falso. Vamos utilizar os elementos da expressão da tabela acima para fazer a correspondência com os nossos endereços. É possível criar uma expressão longa apenas juntando esses elementos e incluindo espaços /s e vírgulas , onde quer que apareçam.     Os dois primeiros endereços correspondem bem utilizando essa expressão, mas o terceiro se desvia do que esperávamos ver e falha. Devido a uma regra obscura sobre edifícios que compartilham um nome com seus endereços, o número da rua está escrito por extenso e nossa expressão regular é incapaz de fazer a correspondência.   A chave para escrever uma boa RegEx é prever essas exceções em seus dados e levá-las em conta dentro da expressão. Para corresponder ao número por extenso, "Two", nesse endereço, vamos colocar outra expressão para verificar se ela falhará ao tentar fazer a correspondência. A maioria dos endereços nos Estados Unidos começa com caracteres numéricos, mas, se não começarem, esta expressão procurará por uma palavra. Veja como fica:   (?:^/d+)|(?:^/w+)   Isso é muito mais simples do que parece e, na verdade, apenas dois símbolos de RegEx adicionais são utilizados. O símbolo de barra vertical I significa "ou". Por exemplo, a|b verificaria apenas se a faz correspondência e, se não fizer, se b faz. O segundo símbolo é (?:...), também conhecido como grupo não marcado. É apenas uma maneira de agrupar esses elementos para a operação ou.       Em resumo, este primeiro grupo (?:^/d+) está apenas fazendo a mesma coisa de antes, mas, quando ele falha, a expressão tenta fazer correspondência usando o segundo grupo (?:^/w+). Isso nos permite fazer a correspondência com a versão por extenso do nosso endereço acima sem problemas.   Para saber mais sobre Corresponder: Esta postagem excelente por Adam Riley no blog Chaos Reigns Within. Tutorial: como começar a usar expressões regulares A função Regex_Match para a ferramenta Fórmula. Crédito extra: existem muitas maneiras de estruturar a RegEx; comente abaixo com uma alternativa melhor para (?:^/d+)|(?:^/w+). Por que ela é melhor?   Analisar   O método Corresponder é bom porque você pode usá-lo para validação, mas no método Analisar é realmente quando a RegEx brilha, permitindo que você extraia informações úteis de um bloco de texto. A ferramenta RegEx torna isso fácil - tudo o que precisamos é colocar parênteses (...) em torno de cada coisa que queremos extrair. São os chamados grupos marcados - a contrapartida para os nossos grupos não marcados acima (?:...).     À medida que os parênteses são digitados, eles aparecem em uma janela de campos de saída semelhante à ferramenta Selecionar, o que permite renomear os campos e alterar os tipos de dados.   Para saber mais sobre Analisar: Parte 2 do artigo RegEx e Alteryx, de Adam Riley.   Substituir   Como é possível constatar, o método Analisar é realmente apenas uma extensão do método Corresponder que nos permite extrair o texto e colocá-lo em uma nova coluna. Bem, o que acontece quando estendemos esse conceito e nos perguntamos: "Como posso colocar as coisas de volta?" É aí que entra o método Substituir.   Com Substituir, podemos analisar componentes de nossa cadeia de caracteres, substituí-los e até reorganizá-los. Podemos fazer isso especificando grupos marcados para indicar à ferramenta RegEx o que substituir e onde, em uma linguagem que qualquer um possa entender...     A preguiça de terno está absolutamente certa, é claro, podemos usar símbolos de dólar $ juntamente com números para especificar exatamente cada grupo marcado. Por exemplo, $1, $2, e $3 se referem ao primeiro, segundo, e terceiro grupos marcados, respectivamente. Então, para a nossa lista de endereços, se quiséssemos apenas analisar uma lista de cidades e estados, poderíamos digitar a expressão $4, $5.     Observe que conseguimos adicionar nossa própria vírgula ali, e também um espaço, simplesmente digitando-os na caixa de texto. O método Substituir é bastante flexível e você também pode utilizá-lo na ferramenta Fórmula com a função Regex_Replace.   Para saber mais sobre Substituir: Converter uma cadeia de caracteres com um símbolo $ em um número Eliminar zeros à esquerda Parte 3 do artigo RegEx e Alteryx, de Adam Riley. Como remover números: RegEx ao resgate Configure um fluxo de trabalho para utilizar uma ferramenta de Interface Árvore Web scraping com o Alteryx   Tokenizar   A RegEx é muito eficaz quando as coisas nos são dadas em uma lista bonita e organizada, mas o que acontece se todos esses endereços fossem despejados sem a menor cerimônia por alguma chamada de API ou base de dados como um único bloco de texto?   3345 Michelson Drive, Suite 400, Irvine, CA 92612,12303 Airport Way, Suite 250, Broomfield, CO 80021,Two North Riverside Plaza, Suite 1430, Chicago, IL 60606   Bem, isso não é muito útil - está tudo delimitado por vírgula, mas não existe uma maneira fácil de saber quando um endereço termina e outro começa. O que precisamos aqui é do método Tokenizar, que vai pegar esse texto e dividi-lo em colunas ou linhas, de maneira muito semelhante à ferramenta Texto para colunas. Existem duas diferenças importantes que definem o Tokenizar da RegEx: Em vez de fazer a correspondência com o que você não quer (como uma vírgula), você faz correspondência com o que você quer (todo o resto). Você tem a opção de escolher o que é dividido e o que é ignorado utilizando um grupo marcado.  Isso pode parecer confuso, mas na verdade dá muito mais flexibilidade sobre onde/como você divide seus dados. Para ilustrar, vamos dividir nosso texto de endereços em várias linhas, utilizando a vírgula como nosso delimitador.     Como temos que fazer correspondência com tudo o que queremos, precisamos utilizar a expressão (.+?)(?:,|$). Vamos examiná-la em partes: .+ significa qualquer caractere . que faça correspondência uma ou mais vezes + ? é como dizemos que esta correspondência deve ser preguiçosa em vez de ambiciosa. Essa é uma distinção bastante útil, que pode ser um pouco difícil de entender no início, mas, para os propósitos deste curso rápido, vamos nos concentrar apenas no que ? significa: faça a correspondência do que quer que seja antes de zero vezes (ou seja, não faça) ou antes de exatamente uma vez. O sinal de mais + é, na verdade, o oposto: é um símbolo ambicioso, portanto, o caractere anterior . tentará fazer correspondência uma ou mais vezes. Então, o que significa quando dizemos para algo ambicioso ser preguiçoso? Bem, na verdade, isso modifica o quanto ele pode ser ambicioso, forçando-o a olhar para a próxima correspondência. Então, o que .+? realmente significa é: "faça a correspondência a um caractere uma ou mais vezes até que você possa corresponder ao que vem a seguir". O que vem a seguir é um grupo não marcado (?:,|$) que essencialmente funciona como uma placa de PARE para o (.+?) anterior. Como não está no grupo marcado, não estará presente no resultado. Está apenas em um grupo não marcado, para que solicitemos que procure ou por uma vírgula , ou pelo fim da linha $ no final do texto. Ufa - quanta informação! Fique a vontade para aproveitar esta oportunidade para alongar-se, dar uma caminhada ou meditar.     Obviamente, a ferramenta Texto para colunas pode dividir usando uma vírgula de maneira mais fácil do que o apresentado acima, ma s a flexibilidade de Tokenizar vem à tona quando tentamos fazer algo um pouco mais útil. Por exemplo, podemos usar esse método para dividir aquele bloco de informações de endereço nos três endereços originais.     Nesse caso, estamos apenas utilizando a última expressão correspondente ao código postal /d{5} para marcar onde cada correspondência termina. Como mencionado acima, sabemos que cada linha terminará ou com uma vírgula, ou com o fim da linha, e podemos usar aqui (?:,|$) para dividi-las com sucesso. No exemplo acima, optei por mostrar a capacidade de ? fazer correspondência zero ou uma vez para substituir isso - para que possamos dividir em uma "vírgula opcional" após a correspondência com o grupo marcado.   Para saber mais sobre Tokenizar: Parte 3 do artigo RegEx e Alteryx, de Adam Riley, e uma resposta do blog Engine Works, do cofundador da Alteryx, Ned Harding. Crédito extra: o ,? não funcionará no caso anterior, dividindo apenas por vírgula - (.+?),? em vez de (.+?)(?:,|$). Por quê? Comente abaixo com uma explicação para glória eterna e o direito de se vangloriar.     A esta altura, você já aprendeu a ponto de ter a proficiência de um especialista na ferramenta RegEx! Se puder pensar em um caso de uso que deixamos de fora, não hesite em usar a seção de comentários abaixo! Você já se considera um mestre das ferramentas? Entre em contato conosco pelo e-mail community@alteryx.com caso queira que seus usos criativos para ferramentas sejam exibidos na Série Domínio de Ferramentas.   Fique atento às nossas publicações mais recentes de Tool Tuesday toda terça-feira seguindo a Alteryx no Twitter! Se quiser dominar todas as ferramentas do Designer, inscreva-se para receber notificações por e-mail.
Ver artigo completo
Ao desenvolver fluxos de trabalho, nossos usuários devem enviar os fluxos de trabalho para o Server ou o Agendador contendo conexões com bases de dados.  Essa é uma fonte comum de erros se a configuração não for realizada corretamente.   Exemplos de erros: Não foi possível traduzir o alias Nome da fonte de dados não encontrado e nenhum driver padrão especificado Erros de permissões Para configurar uma conexão a uma base de dados, vamos revisar como o Agendador e o Server funcionam.   Ao publicar ou agendar um fluxo de trabalho, sob qual usuário ele será executado e como posso configurar minhas conexões para acomodar isso?   Ao executar um fluxo de trabalho localmente no Alteryx Designer, ele é executado sob o usuário que está conectado naquele momento.  Ao agendar ou enviar esse fluxo de trabalho para o Server, ele será executado sob a conta do sistema local (não sob o usuário conectado).  Se configurar sua base de dados para utilizar a autenticação do Windows, você poderá obter erros, pois o fluxo de trabalho será executado essencialmente sob um usuário diferente no Server e, portanto, não poderá ser autenticado.    Para evitar isso, é possível solicitar que seu DBA autorize a base de dados na conta do sistema local ou definir "Executar como usuário" nas configurações de sistema do Alteryx.  Definir "Executar como usuário" permitirá que o fluxo de trabalho seja executado sob credenciais diferentes. Observe que executar como as credenciais é uma solução de tudo ou nada e, quando definida, todos os fluxos de trabalho serão executados sob o usuário especificado.  Leia mais sobre isso aqui e aqui.  Com versões mais recentes do Alteryx Server, o administrador do Server pode ativar uma configuração que permite aos usuários definirem a execução por fluxo de trabalho quando estiverem executando do Gallery.  Leia mais sobre essa opção aqui.    Como configuro meus drivers?    Para se conectar a uma base de dados no Alteryx, é necessário ter um driver compatível instalado.  Para encontrar o driver compatível com sua base de dados específica, acesse nossa página de especificações técnicas e clique na sua base de dados.  Observe que também será necessário ter uma versão compatível da base de dados.   O driver precisa ser instalado em seu computador local, bem como no servidor, e é necessário que seja o mesmo driver.  Por exemplo, se você se conecta ao SQL Server usando o SQL Server Native Client 11 em seu computador local, o servidor também deverá ter o SQL Server Native Client 11.  Observe também que, se o seu Server tiver vários operadores, cada um deles deverá ter o driver.   Como configuro minhas conexões?   Conexões DSN Existem duas maneiras de configurar uma cadeia de conexão no Alteryx.  A maneira mais simples e comum é criar uma que faça referência a um DSN.  Essa é a maneira "padrão" de se conectar no Alteryx.  Você sabe se a sua cadeia de caracteres faz referência a um DSN porque ela geralmente terá a palavra "DSN".    Por exemplo: "odbc: DSN=MYSQL_PROD_DB"   Para verificar sua cadeia de conexão, consulte a ferramenta Dados de entrada após se conectar a uma base de dados ou vá para Opções > Opções avançadas > Gerenciar conexões de dados para visualizar suas conexões salvas.   Se desejar utilizar uma conexão DSN no Server ou no Agendador, é necessário certificar-se de que existe um DSN com exatamente o mesmo nome no servidor.    Além disso, é necessário ter cuidado ao configurar um DSN de usuário, a menos que você esteja usando a opção "Executar como" usuário.  As opções são configurar um DSN de usuário para todos os usuários, incluindo a conta Executar como, ou criar uma conexão DSN de sistema no Alteryx que funcione para todos os usuários.  Se você quiser criar uma conexão de sistema salva no Alteryx por meio da interface de gerenciamento de conexões de dados, é necessário executar o Alteryx como administrador para que a opção seja exibida.   Cadeias de conexão sem DSN   Se não desejar configurar DSNs, é possível escrever uma cadeia de conexão sem DSN.  Para isso, é preciso ter alguma proficiência com cadeias de conexão ou solicitar ajuda ao seu DBA.  Uma ótima referência para escrever as cadeias é connectionstrings.com.  Ao escrever essas cadeias de caracteres, a única diferença entre o que o site mostra e a configuração no Alteryx é a necessidade de adicionar odbc:(odbc) ou odb: (oledb) no início da cadeia.   Abaixo está uma amostra de cadeia de conexão sem DSN para o SQL Server (supondo que você esteja utilizando o driver do SQL Server Native Client 11). Exemplo de segurança padrão odbc: Driver={SQL Server Native Client 11.0};Server=meuEndereçodoServer; Database=minhaBasedeDados;Uid=meuNomedeUsuário;Pwd=minhaSenha; Exemplo de conexão confiável odbc: Driver={SQL Server Native Client 11.0};Server=mmeuEndereçodoServer; Database=minhaBasedeDados;Trusted_Connection=yes;   E as conexões de dados do Gallery compartilhadas com usuários?   Em geral, se você puder escrever uma cadeia sem DSN, essa é a abordagem mais fácil para conexões de dados do Gallery, já que ao compartilhá-las com os usuários, eles somente precisarão ter o driver correto instalado (nenhum DSN precisa ser configurado).  Se você utilizar uma conexão do Gallery que faça referência a um DSN, certifique-se de comunicar aos seus usuários que eles precisam configurar um DSN com o mesmo nome.    Também não se esqueça de compartilhar a conexão de dados do Gallery com o "Executar como usuário" no Server, caso esteja utilizando a autenticação do Windows para a base de dados.   Por último, verifique se os computadores servidores estão "conectados" ao Gallery, para que possam receber as conexões compartilhadas.
Ver artigo completo
Este artigo traz orientações sobre o processo de instalação do Alteryx Server e contém vários links para materiais relacionados. Observe que este artigo não substitui o guia oficial Ajuda do Server para administradores   O Alteryx Server inclui: Uma instância do Alteryx Designer hospedada no computador do Server, que funciona essencialmente como uma instalação autônoma do Alteryx Designer de administrador. Ferramentas preditivas (opcional) que instalarão macros baseadas no R para análises de Investigação de dados, Preditivas, Teste AB, Série de tempo, Agrupamento preditivo e Prescritivas. Alteryx Analytics Gallery, que permite aos usuários carregar e compartilhar seus fluxos de trabalho, macros e aplicativos. Agendador do Alteryx, que permite o agendamento de trabalhos regulares (diários, semanais, mensais etc.) para geração de relatórios ou automação por meio dos fluxos de trabalho do Alteryx. Um MongoDB (ou banco de dados SQLite), que armazena os arquivos e dados utilizados pelo Gallery e pelo Agendador. Suporte para executar fluxos de trabalho do Alteryx por linha de comando (Introdução à linha de comando do Server).    **Se estiver atualizando o Alteryx Server** Spoiler Interrompa o serviço Alteryx (AlteryxService). Faça backup do MongoDB. Consulte estes artigos: Backup e recuperação do Alteryx Server - Parte 1: melhores práticas Backup e recuperação do Alteryx Server - Parte 2: procedimentos Se estiver atualizando da versão 9.5 ou anterior, será necessário executar um utilitário de migração durante o processo de instalação para atualizar para o Mongo 3.0. Procure pela caixa de seleção abaixo: se perder esta etapa ou tiver outras dificuldades, consulte este artigo ou entre em contato com o Suporte ao Cliente para obter assistência. Certifique-se de que possui espaço suficiente em disco para comportar o tamanho do MongoDB existente. Como precaução de segurança, o serviço Alteryx não será iniciado se não houver espaço suficiente para um backup completo do MongoDB no computador servidor. Isso significa que, se houver centenas de aplicativos, trabalhos do Agendador e resultados de fluxos de trabalho carregados em um MongoDB de 20 GB, o servidor deverá dispor de, no mínimo, 20 GB de espaço livre no disco.  Interrompa o serviço Alteryx (AlteryxService). Faça backup do MongoDB. Consulte estes artigos:Backup e recuperação do Alteryx Server - Parte 1: melhores práticas Backup e recuperação do Alteryx Server - Parte 2: procedimentos Se estiver atualizando da versão 9.5 ou anterior, será necessário executar um utilitário de migração durante o processo de instalação para atualizar para o Mongo 3.0. Procure pela caixa de seleção abaixo:se perder esta etapa ou tiver outras dificuldades, consulte este artigo ou entre em contato com o Suporte ao Cliente para obter assistência. Certifique-se de que possui espaço suficiente em disco para comportar o tamanho do MongoDB existente. Como precaução de segurança, o serviço Alteryx não será iniciado se não houver espaço suficiente para um backup completo do MongoDB no computador servidor. Isso significa que, se houver centenas de aplicativos, trabalhos do Agendador e resultados de fluxos de trabalho carregados em um MongoDB de 20 GB, o servidor deverá dispor de, no mínimo, 20 GB de espaço livre no disco.  Instruções para instalação: 1. Faça o download da versão mais recente na Página de Downloads.     2. Execute o instalador com direitos de administrador.       3. Siga o assistente ao longo do processo de instalação. 4. Se desejar instalar as ferramentas baseadas no R, selecione Instalar ferramentas preditivas quando solicitado.     5. Se ainda não estiver licenciado, o assistente solicitará uma chave de licença.   Se essa tela não for carregada imediatamente, ela sempre poderá ser acessada de dentro do Designer.   6. Configure o Alteryx Server nas Configurações do sistema, que podem ser acessadas de três maneiras: Se você selecionou Configurar o Server agora na última página da instalação, elas serão abertas automaticamente. A instalação colocará um atalho na sua área de trabalho:   Pelo Alteryx Designer:   Configuração:   A configuração é um tema bastante extenso. Consulte o material de referência para obter mais informações: Ajuda do Alteryx Server para administradores Dimensionar o Alteryx Server: Considerações sobre o escalonamento do Alteryx Server Medir e dimensionar um Server privado Dimensionar um Server privado: cinco passos para uma produtividade melhor Migrar e dimensionar o MongoDB no Alteryx Server   Referências adicionais: Configurando o Alteryx Server para SSL: obtenção e instalação de certificados Executando o Alteryx Server em uma porta que não seja a 80 Um mergulho mais profundo no registro em log do Server Alteryx Server no Azure Implantando o Alteryx Server com o Chef   Como sempre, não hesite em entrar em contato conosco por meio do Suporte ao Cliente caso tenha qualquer problema.
Ver artigo completo
Pergunta De quais informações o Suporte ao Cliente da Alteryx precisa para solucionar problemas no meu Server/Gallery/Agendador?   Resposta Se não houver uma solução rápida/direta, pode ser necessário fornecer capturas de tela, arquivos e/ou log de erros para que o Suporte do Server/Gallery possa ajudar a solucionar o problema.   Envie as seguintes informações por e-mail para support@alteryx.com ou, se os arquivos forem muito grandes, a equipe de Suporte ao Cliente estabelecerá outro meio de transferência a ser utilizado.   O que enviar?   1. Captura de tela do erro - Envie uma captura de tela da mensagem de erro. Clique em CTRL-PrintScreen para capturar o erro e cole-o em seu e-mail. Observação: você pode pesquisar o texto do erro no Google para ver se há alguma informação sobre esse erro específico. A Base de Conhecimento também é um ótimo lugar para pesquisar pelo texto do erro!   2. Captura de tela das configurações do sistema - Clique em Painel de controle >> Todos os itens do painel de controle >> Sistema. Precisamos saber as configurações do seu sistema para replicar os problemas que você está tendo em uma configuração semelhante.       3. Versão do Alteryx – Nossa equipe de Suporte ao Cliente precisa saber com precisão sobre as versões, para que possamos replicar quaisquer problemas. Qual versão do Alteryx você tem instalada? É possível descobrir no Alteryx clicando em Ajuda >> Sobre e obter uma captura de tela ou o número exato da versão.     4. Você está usando uma instalação Server ou Desktop? De administrador ou não administrador (usuário)?    Uma maneira de saber é verificar o caminho de instalação da sua instância do Alteryx:   Padrão para instalação de administrador – C:/Program Files/Alteryx     Padrão para instalação de não administrador (usuário) - C:/Users//AppData/Roaming/Alteryx         5. RuntimeSettings.xml – Esse arquivo nos fornece informações úteis sobre a configuração da sua instância específica. O local padrão é nos diretórios compartilhados acima, dependendo se sua instalação é de administrador ou não administrador (usuário). O arquivo RuntimeSettings.xml deve existir, mesmo que não esteja no diretório padrão, e deve ser possível recuperá-lo para compartilhar conosco por meio de uma pesquisa no disco pelo nome do arquivo:   6. Verifique o arquivo LastStartupError.txt Esse arquivo estará no mesmo caminho definido nas Configurações do sistema: Controlador >> Geral >> Registrar em log O padrão é: C:/ProgramData/Alteryx/Service Pode conter mensagens úteis para a identificação do problema.   Se este artigo foi útil, consulte também a Parte 2: De que o Suporte ao Cliente precisa para solucionar problemas do Server/Gallery/Agendador? nos logs do Alteryx/Windows !
Ver artigo completo
Pergunta De quais informações o Suporte ao Cliente da Alteryx precisa para solucionar problemas no meu Server/Gallery/Agendador?   Resposta Se não houver uma solução rápida/direta, pode ser necessário fornecer capturas de tela, arquivos e/ou log de erros para que o Suporte do Server/Gallery possa ajudar a solucionar o problema.   Envie as seguintes informações por e-mail para support@alteryx.com ou, se os arquivos forem muito grandes, a equipe de Suporte ao Cliente estabelecerá outro meio de transferência a ser utilizado.   O que enviar?   1. Logs-Logs-Logs! Os logs são a melhor maneira de chegar à raiz do problema ao examinar erros e avisos. Para os logs do Alteryx (Gallery, serviço e mecanismo), inclua os logs referentes ao momento do erro/falha (os logs imediatamente antes e depois do erro/falha).  Se o problema for contínuo, inclua os logs mais recentes.   Logs necessários: Gallery Serviço (Service) Mecanismo (Engine)   Caminhos padrão: Logs do Gallery (/ProgramData/Alteryx/Gallery/Logs) Logs do serviço (/ProgramData/Alteryx/Service/AlteryxServiceLog.log) Logs do mecanismo (/ProgramData/Alteryx/ErrorLogs)   Se você tiver o Server e não tiver logs nos caminhos acima, clique em Opções >> Configurações de usuário >> Configurações do sistema e veja os caminhos nos quais os logs são gravados. Em seguida, encontre e envie os logs desse local. Se o caminho ainda não estiver definido, escolha um caminho, execute novamente o fluxo de trabalho para criar o erro e envie os logs:   Localizando o caminho dos logs do mecanismo:     Localizando o caminho dos logs do serviço:   Localizando o caminho dos logs do Gallery:   Se você não está usando o Server, provavelmente está usando uma instalação Desktop com logs localizados em C:/Program Data/Alteryx/Engine.  Contudo, se você tiver uma instalação de desktop e não tiver logs nesse caminho, clique em Opções >> Configurações de usuário >> Configurações do sistema e veja os caminhos nos quais os logs estão gravados.  Em seguida, encontre e envie os logs.  Se o caminho ainda não estiver definido, escolha um caminho, execute novamente o fluxo de trabalho para criar o erro e envie os logs. Se não houver um diretório, marque "Substituir configurações do sistema" e insira um caminho para o "Diretório de log". Execute novamente o fluxo de trabalho para criar o erro e envie os novos arquivos de log.         2. Logs de eventos do Windows - Os logs de eventos apresentam informações de histórico que podem ajudar a rastrear problemas do sistema e de segurança. Forneça os logs do sistema e do aplicativo no formato evtx.   Opcional - apenas caso seja especificamente solicitado pela equipe de Suporte ao Cliente: No menu Iniciar do Windows, pesquise por “evento” e escolha Visualizador de Eventos. Expanda Logs do Windows, clique com o botão direito do mouse em "Aplicativo", selecione "Salvar todos os eventos como..." e salve como arquivo *.evtx Clique com o botão direito em "Sistema", selecione "Salvar todos os eventos como..." e salve como arquivo *.evtx     3.  Informações de sistema - Grava os eventos registrados em log pelo sistema operacional ou seus componentes, como a falha de um serviço na inicialização. As informações de sistema (conhecidas também como exe) mostram detalhes sobre a configuração de hardwares, softwares e componentes do seu computador, incluindo drivers. Opcional - apenas caso seja especificamente solicitado pela equipe de Suporte ao Cliente: Clique em Iniciar e, no campo Pesquisar programas e arquivos, digite msinfo32.exe.  Clique em Arquivo >> Salvar e salve como arquivo .nfo.      Consulte este recurso para obter mais informações sobre logs do Alteryx!
Ver artigo completo
Este artigo faz parte da Série Domínio de Ferramentas, uma compilação de contribuições da Base de conhecimento para apresentar diversos exemplos de trabalho para as ferramentas do Designer. Aqui, exploraremos usos para a ferramenta Fórmula de múltiplas linhas, como parte de nosso percurso para dominar o Alteryx Designer:   A ferramenta Fórmula de múltiplas linhas funciona de maneira muito semelhante à ferramenta Fórmula normal, mas inclui a capacidade de fazer referência a múltiplas linhas de dados em uma única expressão. Digamos, por exemplo, que alguém estivesse no andar térreo de uma casa e tivesse uma ferramenta Fórmula. Essa pessoa só poderia conversar com outras pessoas que também estivessem no térreo. Se ela tivessem uma ferramenta Fórmula de múltiplas linhas, também seria capaz de conversar com as pessoas no andar de cima, no sótão e no porão.       A ferramenta Fórmula de múltiplas linhas permite que o usuário atualize um campo existente ou crie um novo. Ambas as opções podem ser muito úteis, e há muitos casos de uso para cada uma. Os casos de uso descritos abaixo estão anexados no fluxo de trabalho da v11.0 Multi-Row.yxmd.     Atualizar campo existente   "Preenchendo" um campo: Muitas vezes, os dados podem ser organizados de maneira a ficar com uma aparência agradável no Excel, mas que não é realista para se trabalhar no Alteryx. Nesses casos, a melhor opção é "preencher" colunas com valores ausentes.      No caso acima, apenas a primeira pessoa de cada família tem seu sobrenome preenchido. Portanto, gostaríamos de modificar esse campo de sobrenomes, "Family", onde ele apresenta Null(). Isso pode ser realizado com facilidade da seguinte maneira:     Para trazer variáveis e funções de forma fácil para a caixa de expressão, basta clicar duas vezes sobre elas dentro da guia correspondente em Configuração.   Criar novo campo: Crie um identificador exclusivo para cada pessoa no grupo: Agora que os dados estão limpos, queremos adicionar um ID exclusivo para cada pessoa de acordo com a família a que pertence. Para isso, vamos configurar a ferramenta Fórmula de múltiplas linhas da seguinte maneira:     Ao criar um novo campo, o usuário pode selecionar de que tipo será. Aqui, Int 16 foi escolhido. Observe que estamos agrupando por "Family", pois queremos que o ID seja exclusivo para cada sobrenome, mas ele pode começar de novo com sobrenomes diferentes. Esse novo campo "ID" pode ser utilizado mais tarde como um identificador com ferramentas como Filtrar, Sumarizar e outras.     Faça cálculos: O que seria de uma ferramenta de múltiplas linhas sem a capacidade de fazer referência a mais do que apenas as linhas diretamente antes ou diretamente depois dela? Ao alterar o valor em Número de linhas na Configuração, é possível aumentar o número de linhas que você pode utilizar em suas expressões.   Neste exemplo, aumentamos o número de linhas para 2. Observe como agora há mais variáveis para selecionar na seção central da Configuração. Porque queremos o total acumulado por sobrenome, agrupamos novamente pelo campo "Family".     Esse método pode ser estendido para gerar totais acumulados em vários cenários diferentes, incluindo vendas monetárias, contagens de itens e muito mais.      Agora, queremos calcular o valor médio de tempo total de tela ("Total Screen Time") por família. Nesta caixa de expressão da ferramenta Fórmula de múltiplas linhas, usando a função "average" para calcular a média, escrevemos:    iif([ID]=3,average([Row-2:Total Screen Time],[Row-1:Total Screen Time],[Total Screen Time]),iif([ID]=2,average([Row-1:Total Screen Time],[Total Screen Time],[Row+1:Total Screen Time]),average([Row+2:Total Screen Time],[Row+1:Total Screen Time],[Total Screen Time])))   Isso verifica o valor de ID de cada linha e personaliza a fórmula para gerar uma média utilizando as linhas corretas.      Diferença do anterior: A última configuração para essa ferramenta, de que ainda não tratamos, é o menu suspenso Valores para linhas que não existem. Isso indica ao Alteryx o que utilizar quando uma fórmula precisar do valor de uma linha que não existe (daí o nome do menu suspenso). Isso aconteceria, por exemplo, ao calcular um valor para a primeira linha de dados quando a expressão contiver uma variável Linha -1 [Row-1]. O usuário pode escolher o valor da linha inexistente.   Neste exemplo, a linha que não existe é definida para a linha válida mais próxima. Dessa forma, quando a fórmula tenta utilizar [Row -1: Total Screen Time] na linha 1 e percebe que ela não existe, a fórmula usa o valor da linha 1. Isso resulta na diferença de 0 que você vê na saída (figura mais abaixo).       Uma ferramenta Ordenar foi colocada antes dessa ferramenta Fórmula de múltiplas linhas para classificar o tempo total de tela em ordem decrescente. A fórmula acima criou um campo que é a diferença entre o tempo total de tela da linha atual e o tempo total de tela da linha anterior. Isso facilita a visualização de quanto tempo de tela a mais cada pessoa precisa para alcançar a pessoa à sua frente.     Muitas vezes a ferramenta Fórmula de múltiplas linhas é utilizada em combinação com a ferramenta Tabela de referência cruzada. Isso é particularmente útil se você estiver tentando transformar algumas colunas de dados em uma tabela. Um membro do Alteryx Community teve exatamente esse problema e conseguiu resolvê-lo nesta postagem.   A ferramenta Fórmula de múltiplas linhas só pode atualizar um campo por instância de ferramenta. Se desejar atualizar vários campos (e se sentir confortável usando a ferramenta Fórmula de múltiplas linhas e a ferramenta Fórmula de múltiplos campos), experimente esta macro que foi postada no Alteryx Gallery público.   A esta altura, você já aprendeu a ponto de ter a proficiência de um especialista na ferramenta Fórmula de múltiplas linhas! Se puder pensar em um caso de uso que deixamos de fora, não hesite em usar a seção de comentários abaixo! Você já se considera um mestre das ferramentas? Entre em contato conosco pelo e-mail community@alteryx.com caso queira que seus usos criativos para ferramentas sejam exibidos na Série Domínio de Ferramentas.   Fique atento às nossas publicações mais recentes de #ToolTuesday toda terça-feira seguindo a @alteryx no Twitter! Se quiser dominar todas as ferramentas do Designer, inscreva-se para receber notificações por e-mail.
Ver artigo completo
Um grande componente da combinação de dados é a aplicação de processos matemáticos ou transformacionais a subconjuntos de dados.  Geralmente, isso exige isolar os dados que estão em conformidade com determinados critérios que você definiu:   "Só quero sinalizar as SKUs para produtos cujo custo for inferior a 10 dólares" “Clientes com idade entre 25-40 anos devem ser classificados como Grupo A, 41-65 anos como Grupo B e de mais de 66 anos como Grupo C” "Categorize transações como dia útil ou fim de semana" "Se um produto for Vermelho, renomeie para R (Red). Se for Azul, renomeie para B (Blue). Se for amarelo, para Y (Yellow). Se for Verde, para G (Green). Caso contrário, renomeie para Outro (Other)" Alguma dessas situações lhe parece familiar? Se for assim, um bom ponto de partida para começar a transformar seus dados é com as funções condicionais da ferramenta Fórmula (Figura 1).  As funções condicionais criam expressões que permitem aplicar processos aos dados que satisfizerem as condições definidas por você.     Não importa se você vem do mundo do SQL, Excel, R ou outro programa de dados que esteja tornando sua vida mais difícil do que deveria ser, o conceito de Expressão condicional permanece o mesmo: se uma condição é ou não verdadeira, então aplique um processo ou resultado.  Caso contrário, aplique um processo ou resultado diferente.  Essa lógica pode ter o formato de um entre quatro tipos diferentes de expressões:   1) Uma instrução IF tradicional pode ser uma ferramenta poderosa para a transformação de dados. Estruturalmente, o Alteryx exige quatro cláusulas distintas para aplicar esse tipo de lógica aos dados:   IF uma condição (não) for verdadeira THEN aplique a Função A ELSE aplique a Função B ENDIF   Ou seja, SE uma condição for (ou não for) verdadeira, ENTÃO aplique uma função, SENÃO aplique uma outra função, FIM DA INSTRUÇÃO. Usando a primeira situação (SKUs e Preços) como exemplo, a instrução IF nos permite determinar quais produtos serão sinalizados para análise posterior:         2) Uma instrução IF aninhada permite que múltiplas condições sejam definidas, essencialmente formando uma cadeia de instruções lógicas, ou seja, usando instruções lógicas repetidas semelhantes em uma única instrução IF. Embora a documentação forneça um exemplo com três condições definidas, isso não representa, de forma alguma, um limite no número de critérios que podem ser definidos.  Contanto que a sintaxe correta seja utilizada, muitas outras condições podem ser definidas!   Considere a segunda situação (grupos de clientes por idade).  Ao continuar com a sintaxe correta, quatro grupos (A, B, C e Outros) são criados como resultado da instrução aninhada.  Ao trabalhar com instruções aninhadas, pode ser útil dividir cada cláusula em uma nova linha na Caixa de expressão, como mostra o exemplo abaixo.     3) Embora as instruções IF em linha (IIF) empreguem uma lógica semelhante às instruções IF, avaliando uma condição como "verdadeira" ou "falsa", elas diferem sintaticamente. As expressões IIF exigem três componentes, cada um separado por uma vírgula: uma expressão booleana para avaliar, o resultado “Verdadeiro” e o resultado “Falso”.  Os resultados Verdadeiro e Falso têm suporte não apenas para texto, mas também para operações matemáticas.  No caso da terceira situação, em que um registro só pode ser classificado como um de dois tipos (Dia útil ou Fim de semana), uma declaração IIF categoriza efetivamente os dados conforme uma lógica de teste que analisa se o valor da coluna dos dias [Day] não é sábado (Sat) ou domingo (Sun).  O resultado Verdadeiro dessa instrução retorna "Weekday" (dia útil); o resultado Falso, "Weekend" (fim de semana).          4) A função Switch da ferramenta Fórmula é excepcional! Ela é parte ferramenta Localizar e substituir, parte IF aninhada, parte instrução CASE do SQL... é super útil! Essa expressão avalia múltiplas condições para atribuir um resultado designado.  Se nenhuma condição for atendida, será definido um valor padrão (Value).  A função Switch oferece algumas vantagens sobre funcionalidades semelhantes no Alteryx.  Primeiro, ela garante grande parte da flexibilidade de uma instrução IF aninhada sem a necessidade repetir IFs, THENs, ELSEIFs... etc.     Segundo, ela pode cumprir uma função semelhante à da ferramenta Encontrar e substituir sem ter que criar uma segunda instância de todos os dados que você deseja localizar e os dados correspondentes usados para substituí-los.  Um método mais rápido e com menos chance para erros de digitação? Tô dentro!       Observação: os tipos de operadores que podem ser usados em uma expressão dependem do tipo de dados do campo de saída.  Se a saída for uma cadeia de caracteres (String ou outro tipo de texto), o resultado exige aspas (simples ou dupla) ao redor.  Observe como cada um dos nomes dos grupos 'A', 'B' ou 'C', por exemplo, está envolvido por aspas simples dentro da Caixa de expressão.  Campos numéricos, por outro lado, não exigem que o resultado seja escrito entre aspas.        *O fluxo de trabalho em anexo é compatível com o Alteryx Designer v10.0 e superior.      #
Ver artigo completo
Este artigo faz parte da Série Domínio de Ferramentas, uma compilação de contribuições da Base de conhecimento para apresentar diversos exemplos de trabalho para as ferramentas do Designer. Aqui, exploraremos usos para a ferramenta Junções múltiplas, como parte de nosso percurso para dominar o Alteryx Designer:   A ferramenta Junções múltiplas é uma combinação das ferramentas Junção e União . É melhor utilizada para consolidar um fluxo de trabalho em uma ferramenta, em vez de ter que empregar várias ferramentas de Junção e União:     A ferramenta Junções múltiplas pode gerar todas as junções (esquerda, interna e direita):     Ou gerar apenas uma Junção interna quando "Somente gerar registros que são unidos a partir de todas as entradas" estiver marcado:     Essa funcionalidade, que combina Junção e União, pode ser revelada por meio de dois casos de teste: Junções múltiplas com critérios de junção idênticos Junções múltiplas com critérios de junção diferentes   A junção de múltiplas entradas com critérios de junção idênticos é mais fácil porque a saída é exatamente o que se espera (uma junção interna). Como não haverá saídas de junção para a esquerda ou para a direita, a ferramenta Junções múltiplas só deve ser utilizada para fazer a junção de mais de 2 entradas de uma vez. Caso contrário, uma ferramenta Junção comum funcionaria da mesma forma.   A junção de múltiplas entradas com critérios de junção diferentes utiliza realmente a função de união. No caso de haver uma saída de junção para a esquerda ou para a direita, isso aparecerá na saída como Null para as entradas sem correspondência.   Entrada 1:    Entrada 2:   Entrada 3:   Saída:   Essa função é especialmente útil ao preparar relatórios porque para as ferramentas de Geração de relatórios é irrelevante a existência de colunas nulas em uma linha. Por exemplo, a junção de uma Tabela e um de Texto do relatório cria uma saída sem correspondência:       Mas a ferramenta Layout ainda cria um relatório adequado:     A esta altura, você já aprendeu a ponto de ter a proficiência de um especialista na ferramenta Junções múltiplas! Se puder pensar em um caso de uso que deixamos de fora, não hesite em usar a seção de comentários abaixo! Você já se considera um mestre das ferramentas? Entre em contato conosco pelo e-mail community@alteryx.com caso queira que seus usos criativos para ferramentas sejam exibidos na Série Domínio de Ferramentas.   Fique atento às nossas publicações mais recentes de Tool Tuesday toda terça-feira seguindo a Alteryx no Twitter! Se quiser dominar todas as ferramentas do Designer, inscreva-se para receber notificações por e-mail.
Ver artigo completo
Este artigo faz parte da Série Domínio de Ferramentas, uma compilação de contribuições da Base de conhecimento para apresentar diversos exemplos de trabalho para as ferramentas do Designer. Aqui, exploraremos usos para a ferramenta Tabela de referência cruzada, como parte de nosso percurso para dominar o Alteryx Designer:   Às vezes, você olha para o amontoado de dados na sua frente e se pergunta como poderá organizá-lo da maneira que precisa. Cada opção parece exigir uma grande quantidade de trabalho manual e, sendo o profissional em combinação de dados que você é, isso é algo que você não irá tolerar.   Em situações como essas, talvez você queira agitar um pouco as coisas. Não há melhor ferramenta para isso do que a Tabela de referência cruzada, uma poderosa ferramenta que permite remodelar seus dados do jeito que quiser, permitindo assim abordar seu problema de um novo ângulo. Neste artigo, vou demonstrar alguns casos de uso para mostrar como aproveitar essa ferramenta incrível.   Caso de uso 1: extrair dados dinâmicos de modo mais fácil por meio da atribuição de grupos   Os dados? Você recebe uma lista que se parece com o primeiro campo (Field_1) abaixo. O PMID é o número identificador (ID) de um artigo de um periódico médico em um banco de dados. Cada FAU se refere a outro autor no artigo. Um artigo pode ter qualquer número de autores.     O objetivo? Uma tabela com números de ID no primeiro campo e colunas correspondentes para autores.     Como? Prepare os dados filtrando e separando o identificador. A terceira coluna acima, "Field_12", mostra os dados utilizáveis. Use uma Fórmula de múltiplas linhas para identificar a coluna de ID e as colunas de autor exclusivamente. Nesse caso, cada número de ID é representado por "0" e os autores são contados de zero até que se atinja outro ID. Veja a coluna "Headers" (cabeçalhos). Use outra Fórmula de múltiplas linhas para associar cada grupo de cabeçalhos entre si. Cada grupo é basicamente um identificador de registro - identifica um único artigo na base de dados. Veja a coluna "Groups" acima. Tabela de referência cruzada! Por meio dessas colunas de identificação, é possível deslocar seus dados para que cada um dos Cabeçalhos crie uma coluna e cada um dos Grupos crie uma linha. Veja a janela de configuração na primeira imagem acima.   Caso de uso 2: realizar cálculos dinamicamente para qualquer quantidade de campos   Os dados? Um punhado de campos numéricos, ilustrados abaixo. Eles são agrupados por um campo de categoria (Category) e você adicionou um campo identificador exclusivo para cada registro (RecordID).     O objetivo? Médias móveis para cada coluna dentro de sua respectiva categoria.     Como? Em vez de gerar uma fórmula de múltiplas linhas para cada coluna, tente Transpor tudo para uma única coluna e marque como Campos-chave "RecordID" e "Category". Veja a janela de configuração na primeira imagem. Isso resulta na saída abaixo. Embora possa parecer ainda mais difícil de trabalhar, isso permite que você calcule a média móvel de uma só vez. Utilize uma ferramenta Fórmula de múltiplas linhas para calcular uma média. Você pode facilmente evitar selecionar os valores errados utilizando a opção Agrupar por - marque “Category” e “Name”. Certifique-se também de definir Valores de linhas que não existem para a linha válida mais próxima. Reestruturar usando a Tabela de referência cruzada! (Agrupar por “RecordID”, cabeçalhos de “Name”, dados de “r3”)   Caso de uso 3: lógica complicada facilitada com metodologias de Tabela de referência cruzada   Os dados? Você tem uma lista de todas as combinações possíveis de 5 itens. Para cada combinação, um número de linhas correspondente ao número de itens lista o peso e o valor de cada item - isto é, a combinação 123 será representada três vezes, com informações para o item1, item2 e item3.     O objetivo? Você deseja otimizar a sua seleção de itens para atender a determinados critérios, como peso mínimo e valor máximo.          Como? Utilize uma ferramenta Fórmula para adicionar uma coluna para o peso, "Weight", conforme mostrado na primeira imagem. Utilize a Tabela de referência cruzada com o método "Soma" para encontrar o peso combinado de todos os itens em cada combinação. O cabeçalho "Weight" agrupará todos os valores de "kg" e o agrupamento por "Combinações" criará uma linha para cada combinação. Repita isso para "Value" ($).  Dica de profissional: renomear campos     Uma desvantagem da ferramenta Tabela de referência cruzada é que ela não funciona bem com caracteres especiais em cabeçalhos de campo, incluindo espaços. Isso significa que, se você tiver um cabeçalho de campo "a a", ele será exibido como "a_a". Sei que isso pode ser um pouco inconveniente, mas, quando estávamos desenvolvendo o mecanismo Alteryx, demos prioridade para velocidade e eficiência em vez de manter os cabeçalhos de campo com boa aparência. Mas não se preocupe - há uma solução totalmente viável para esse problema (mais de uma, na verdade!), que utiliza uma ferramenta fantástica chamada Renomeação dinâmica. Geralmente, prefiro fazer isso desta forma:     Para os fluxos de trabalho mostrados nesses casos de uso, consulte o pacote suplementar do Alteryx. É possível que você receba um erro ao extrair o conteúdo, mas isso não afetará a execução do fluxo de trabalho.   A esta altura, você já aprendeu a ponto de ter a proficiência de um especialista na ferramenta Tabela de referência cruzada! Se puder pensar em um caso de uso que deixamos de fora, não hesite em usar a seção de comentários abaixo! Você já se considera um mestre das ferramentas? Entre em contato conosco pelo e-mail community@alteryx.com caso queira que seus usos criativos para ferramentas sejam exibidos na Série Domínio de Ferramentas.   Fique atento às nossas publicações mais recentes de Tool Tuesday toda terça-feira seguindo a Alteryx no Twitter! Se quiser dominar todas as ferramentas do Designer, inscreva-se para receber notificações por e-mail.
Ver artigo completo
"Tutorial" da ferramenta Publicar no Servidor Tableau   A parceria entre a Alteryx e o Tableau está se tornando cada vez mais forte e a perfeita integração foi facilitada por meio da ferramenta Publicar no Servidor Tableau.   Você pode baixar a ferramenta no Alteryx Analytics Gallery. Após baixar a ferramenta, ela pode ser encontrada na categoria Conectores.        Agora você está pronto para configurar a ferramenta e publicar no Tableau.   Etapa 1: Acesso   É necessário ter acesso a uma instância do Servidor Tableau (9.0.1 ou superior) ou Tableau Online para utilizar essa ferramenta e publicar um fluxo de dados no Tableau. Salvo indicação em contrário, o Servidor Tableau e o Tableau Online são intercambiáveis ao longo deste documento e em toda a configuração da ferramenta. Para fins de concisão, "Servidor Tableau" fará referência a ambos o Servidor Tableau e o Tableau Online no restante deste documento.   Etapa 2: Opções de conexão   Essa macro permite que você escolha entre conectar-se diretamente ao Servidor Tableau por meio do navegador da Web ou via URL do servidor.   "Conectar-se com URL de página inteira" Quando fizer login no Servidor Tableau, navegue até a página da pasta de trabalho em que deseja gravar. Essa é a opção recomendada. É possível então copiar todo o URL para a caixa de texto fornecida na interface.   Exemplo de URL: https://10ay.online.tableau.com/#/site/mycompanyssite/workbooks   "Conectar-se com servidor e site" Com essa opção selecionada, é necessário inserir o nome de domínio para o URL do Server (por exemplo, usando o exemplo acima, https://10ay.online.tableau.com).   O Servidor Tableau foi projetado para que vários "sites" possam ser hospedados na mesma instância do servidor. Siga as instruções abaixo para determinar o nome do seu site ao fazer login no Servidor Tableau usando um navegador da web.   No Servidor Tableau, imediatamente após inserir um nome de usuário e senha, uma de duas coisas acontece:   1) O usuário deve selecionar um site. Se isso acontece, o site selecionado aqui pode ser inserido no campo "Digitar nome do site". 2) O usuário é conectado diretamente no Servidor Tableau, sem precisar selecionar um site. Se esse for o caso, o usuário deve selecionar a opção "Usar site padrão".   No Tableau Online, não há site padrão e sempre será necessário inserir manualmente o nome do site com essa opção (uma das razões pelas quais "Conectar-se com URL de página inteira" é o método recomendado, especialmente ao se conectar ao Tableau Online). Após fazer login, o URL deve ser algo como: https://10ay.online.tableau.com/#/site/mycompanyssite/workbooks. O nome do site será a cadeia de caracteres contida entre as barras depois de "#/site/". Nesse exemplo, o nome do site seria mycompanyssite.   Após escolher a conexão, você pode optar por "salvar histórico de conexões", que manterá suas credenciais e conexão dentro do botão de opção "selecionar conexão existente". Isso preencherá um menu suspenso com todas as suas conexões anteriores bem-sucedidas.    Etapa 3: Inserir seu nome de usuário e senha   Nessa etapa, insira seu nome de usuário e senha para o Servidor Tableau, os mesmos usados para fazer login por meio de um navegador da web.    *Consulte "Erros comuns" (abaixo) se receber uma "mensagem de erro 400000 de solicitação incorreta"   Etapa 4: Vamos para a guia Saída   Por padrão, a opção "Publicar fonte de dados" estará selecionada. Nesse estágio, será necessário digitar a fonte de dados recém-criada no Servidor Tableau. O nome da fonte de dados diferencia maiúsculas de minúsculas e deve ser exato.   É possível digitar o nome do projeto manualmente ou escolher "selecionar nome de projeto", que só estará preenchido se a opção "Atualizar lista de nomes de projeto..." estiver marcada e você já tiver executado o módulo uma vez. Se a opção "Atualizar lista de nomes de projeto" estiver marcada, nenhum dado será publicado no Servidor Tableau – essa é apenas uma etapa de configuração para que a lista de projetos disponíveis seja inserida no menu suspenso.     Etapa 5: Opções de saída   Com a fonte de dados e o nome do projeto corretos, é possível escolher o método de saída. "Criar fonte de dados" gerará um novo arquivo na pasta do projeto especificada, contudo, se já existir um arquivo com o mesmo nome de fonte de dados, o arquivo não será carregado e apresentará um erro.   A segunda opção é "sobrescrever fonte de dados". O arquivo será carregado independentemente da existência do arquivo na pasta do projeto especificado. Se já existir um arquivo com o mesmo nome, ele será substituído.     Etapa 6: Opcional   Se você selecionar a opção "solicitar token de autenticação", a macro fornecerá um token de autenticação no campo X-Tableau-Auth. Isso pode ser utilizado para fazer chamadas subsequentes para a API REST do Servidor Tableau com a ferramenta Download ou outras ferramentas, como cURL. A fonte de dados não será publicada.   Dicas e truques   Certifique-se de que a ferramenta está atualizada!   Visite a página do Gallery da ferramenta Publicar no Servidor Tableau acessando gallery.alteryx.com e navegando até o Distrito de Macros ou clicando neste link.         Depois, verifique a versão da ferramenta clicando nela com o botão direito do mouse e clicando em "Abrir macro: Publicar no Servidor Tableau.yxmc". Na janela de configuração do fluxo de trabalho, clique na guia Metainformações.         [Observação: v1.02 e anteriores não mostram a versão da ferramenta; nesse caso é necessário atualizar para a versão mais nova baixando-a da página no Gallery!]   Faça seu dever de casa! Faça login no Servidor Tableau ou Online e recupere o nome do URL de conexão! Só é necessário o URL até a pasta de trabalho em que você irá gravar.   Leia as letras pequenas! Se você escolher "selecionar nome de projeto", marque a opção "atualizar lista de nomes de projeto" e execute o módulo uma vez para preencher o menu suspenso (e, novamente, quando a ferramenta for executada com essa opção marcada, nenhum dado será publicado).   "Atualize" a fonte de dados Ao utilizar a nova ferramenta Publicar no Servidor Tableau, mesmo que você tenha êxito, ela não “atualizará” a fonte de dados automaticamente. Ou seja, isso deveria ser feito no Tableau. No Tableau, é possível configurar atualizações intermitentes, que farão a atualização pelo Tableau periodicamente. No entanto, também é possível fazer a atualização manualmente.         Erros comuns   "O conteúdo está em um formato XML malformado ou incompleto"     Solução Trata-se de uma limitação na API do Servidor Tableau, que já comunicamos ao Tableau e para a qual estamos esperando uma resposta/correção, então escapa um pouco do nosso controle. Se sua senha contiver caracteres não permitidos em xml, como aspas duplas/simples, maior que, menor que, E comercial ou sinal de porcentagem – “ ‘ < > %), que ficam de fora do XML – então a solicitação de login falhará. Isso é especialmente verdadeiro se sua senha contiver dois caracteres especiais. A ferramenta Publicar no Servidor Tableau mais recente foi projetada para lidar com a maioria desses caracteres especiais, porém, se você continuar recebendo essa mensagem de erro, a solução atual consiste em alterar sua senha para evitar caracteres especiais ou incluir apenas um dos caracteres acima.     “Foi atingido o limite de iteração de 1000 da ferramenta #200”     Solução Esse erro foi resolvido na versão mais recente da ferramenta. Baixe-a aqui.    “Erro no mecanismo de dados do Tableau: 4: SimpleDatabase: SelectMetadataName: expected found=1, actual found=0 (fk= name="Extract" nameTable="TEST") A tabela "[Extract].[Extract]" não existe. Não foi possível conectar ao arquivo "C/Desktop….". Verifique se o arquivo existe e se você tem privilégios de acesso suficientes para ele." Esse erro foi resolvido na versão mais recente da ferramenta. Baixe-a aqui.       Se continuar tendo problemas com a ferramenta Publicar no Servidor Tableau, entre em contato com a Equipe de Suporte.   Cumprimentos,   Jordan Barker Engenheiro de Suporte de Serviços ao Cliente
Ver artigo completo
Uma das melhores coisas no Alteryx é a capacidade de ler múltiplos arquivos de maneira muito fácil e combiná-los automaticamente em um único conjunto de dados. Isso fica um pouco mais complicado ao trabalhar com arquivos contendo diferentes esquemas ou arquivos do Excel com múltiplas guias. A capacidade de adicionar vários arquivos do Excel com múltiplas guias e de alterar o esquema dentro de cada guia coloca o Alteryx em outro patamar.   Se suas guias tiverem o mesmo esquema, o artigo para você está aqui.   A maneira de realizar essa tarefa se as guias tiverem (ou puderem ter) esquemas diferentes (os nomes do campos mudam dependendo da planilha) é utilizar macros aninhadas em lote. Anexei um fluxo de trabalho de amostra criado na versão 11.0 que demonstra o processo.     No fluxo de trabalho principal ilustrado acima, a entrada da ferramenta Diretório traz os caminhos de arquivo de todos os arquivos XLSX no diretório para o qual você está apontando (observe que você pode precisar redirecionar essa ferramenta do exemplo para um diretório em seu computador).     A maior parte da mágica acontece na macro mostrada acima. Essa macro usa o campo FullPath e atualiza a ferramenta Dados de entrada principal para ler o primeiro arquivo na lista da Entrada de diretório. Ela está configurada para ler a lista de nomes de planilhas dentro desse primeiro arquivo, mas também para gerar o caminho completo (Full Path) a partir da ferramenta Dados de entrada. Um novo campo é formatado na Fórmula para um caminho de arquivo completo aceitável para um arquivo de Excel, incluindo o nome da planilha desejada. Esse caminho final do arquivo é passado para a segunda macro como o parâmetro de controle.   A segunda macro é muito simples. Ela pega o caminho de arquivo recebido da primeira macro, atualiza a ferramenta Dados de entrada, lê o arquivo e depois o repassa para a primeira macro. Ela repete esse processo uma vez para cada planilha em cada um dos arquivos que estão sendo passados pela ferramenta Diretório.   Cada macro de lote armazena os dados até que cada lote seja concluído e combina todos em um grande conjunto de dados.   Observação: o amostra foi criada na versão 11.0 - não abrirá em versões anteriores.
Ver artigo completo
Pergunta Aqui está a pergunta original postada no Fórum:   Estou trabalhando em um projeto no qual, basicamente, devo utilizar a ferramenta Dados de entrada para importar um arquivo csv para cada dia do mês. Existe alguma maneira mais fácil de fazer isso do que abrir 30 ícones de Dados de entrada e depois fazer uma junção de todos? Parece que, talvez, eu pudesse selecionar Dados de entrada uma única vez e realçar todos os arquivos de que preciso, mas isso não funciona. É que leva muito tempo para arrastar 30 Dados de entrada e depois juntar todas.  Todos os arquivos são CSV.   Resposta Existem várias maneiras de fazer isso - a mais fácil é utilizar o caractere curinga em uma ferramenta Dados de entrada (aprenda isso aqui), como sugerido por uma das pessoas que responderam:   Dependendo do nome e do local do arquivo, você pode até utilizar uma ferramenta Dados de entrada padrão. Por exemplo, se você tiver vários arquivos csv na unidade C denominados Sales_20160101.csv, Sales_20160102.csv, ..., Sales_20160309.csv, você poderia digitar C:/Sales_*.csv em uma ferramenta Dados de entrada padrão e todos os arquivos seriam buscados e agrupados.   Caso os arquivos tenham nomes diferentes, não estejam todos no mesmo diretório e/ou você precise limitar ainda mais quais arquivos serão lidos, será necessário utilizar o outro método sugerido, com a ferramenta Entrada dinâmica (aprenda mais sobre ela aqui 😞    Você pode utilizar uma ferramenta Entrada dinâmica para carregar um conjunto de arquivos. Ela pega uma lista e carrega todos eles. Ela também pode ser configurada para incluir o nome do arquivo como uma entrada em cada uma das linhas. Existe também a ferramenta Diretório, que procurará uma lista de arquivos em uma pasta. A combinação das duas deve permitir que você realize o que precisa.   Esses métodos se aplicam à maioria dos tipos de arquivo, não apenas a arquivos CSV. O ponto principal em ambos os métodos é que, para que qualquer um deles funcione, cada um dos arquivos deve ter o mesmo esquema, caso contrário, haverá erros de leitura.   Se seus arquivos têm esquemas diferentes, nem tudo está perdido. Leia este artigo sobre uma maneira de fazer isso funcionar!
Ver artigo completo
Pergunta Como removo os espaços em branco dos meus dados? Socorro! Resposta Existem algumas situações diferentes envolvendo espaços em branco, mas o esquema abaixo (da amostra da v10.6 em anexo, Remove Whitespace.yxmd) inclui todas elas:   A maioria das abordagens utiliza a função trim() da ferramenta Fórmula, que, sem um segundo argumento, tem como padrão cortar espaços em branco de sequências de caracteres. A partir da versão v10.5 do Designer também é possível utilizar a ferramenta Limpeza de dados para limpar seus campos! Aprenda aqui.
Ver artigo completo
Pergunta  Como posso saber se preciso utilizar uma ferramenta Junção ou uma ferramenta União?   Resposta Essa é uma pergunta bastante comum. Você tem dois conjuntos de dados e precisa combiná-los em um conjunto maior de dados, mas como fazer isso? O Alteryx tem duas ferramentas que facilitam muito isso, dependendo do que você está tentando realizar; a ferramenta Junção e a ferramenta União.   Então, qual é a diferença?   A ferramenta Junção torna seu arquivo mais largo, o que significa que ela adiciona campos aos seus dados ou combina suas entradas horizontalmente. Essa ferramenta deve ser utilizada quando se quer adicionar informações a registros existentes. Por exemplo, talvez você tenha uma lista de clientes com o ID das lojas em que eles compram e uma outra lista separada com as localizações das lojas. Se desejar adicionar as informações das lojas às informações dos clientes, é necessário fazer uma Junção baseada no campo de ID das lojas. Isso fará a correspondência, registro por registro, entre as lojas e seus clientes, para que seu arquivo de clientes contenha então as informações das lojas. Observe que, dependendo de como seus conjuntos de dados estão configurados, isso pode resultar em registros duplicados. Portanto, esteja preparado para verificar seus dados.   A ferramenta União torna seu arquivo mais longo, o que significa que ela adiciona registros aos seus dados ou combina suas entradas verticalmente. Essa ferramenta deve ser utilizada quando se quer empilhar dois arquivos, um em cima do outro. Por exemplo, talvez você tenha uma lista de clientes para cada região da sua organização comercial e queira um único arquivo mestre de clientes. Todos os seus arquivos de região têm exatamente os mesmos campos. A ferramenta União alinhará seus conjuntos de dados com base nos nomes dos campos (seja automaticamente ou manualmente caso haja pequenas variações) e gerará um arquivo mestre com todos os mesmos campos.   Dê uma olhada no exemplo em anexo (criado no Alteryx Designer 11.3), que demonstra a diferença!
Ver artigo completo
Embora a ferramenta Junção seja uma das ferramentas mais usadas no Alteryx, ela também é uma das mais mal compreendidas. Isso é ainda mais verdadeiro se um usuário novo nunca tiver usado junções em qualquer outra plataforma de manipulação de dados ou se estiver unindo grandes tabelas e não estiver monitorando os registros dentro dos campos que estão sendo unidos.   Assim, vou passar por três diferentes casos que você pode encontrar de junção de duas tabelas por um campo em comum e o que esperar em seus resultados. O fluxo de trabalho que vou analisar (anexado neste artigo) é um fluxo de trabalho que criei na versão 10.5 e contém os mesmos elementos visuais ilustrados abaixo.   Caso nº 1: junção por campos em que ambos possuem registros exclusivos   Esse é o caso mais simples e mais fácil de entender. Nesse caso, estamos fazendo a junção pelos campos chamados “Fruit” nas duas entradas. A junção alinhará os registros das tabelas se os registros nos campos “Fruit” corresponderem.   Portanto, a tabela "unida" esperada (saída J) deve ficar assim:   Bastante simples   Caso nº 2: junção por campos em que apenas um possui registros exclusivos   Para esse caso, temos dois registros para "Banana" em nossa entrada à esquerda. Isso significa que o registro com “Banana” na entrada à direita fará correspondência duas vezes e será anexado aos dois registros da entrada à esquerda. Nossa saída deve ficar assim:     Caso nº 3: junção em campos em que ambos possuem registros não exclusivos Esse caso pode ser o mais difícil de entender, mas esperamos que após analisá-lo visualmente e matematicamente, você entenderá porque isso faz sentido e o que você pode fazer para evitar registros indesejados.   Nesse caso, temos dois registros em “Fruit” e ambos contêm “Banana” nas duas tabelas. Aqui acontece o mesmo que no caso acima, exceto que agora acontece duas vezes porque temos dois registros da entrada à direita que fazem correspondência com dois registros da entrada à esquerda. Então, nossa saída terá um total de 4 registros contendo a palavra "Banana".  A saída deve ficar assim:     Analisando matematicamente o Caso nº 3 e o Caso nº 2, você pode entender quantos registros obterá para cada instância de registro multiplicando a quantidade de registros que aparecem nas duas tabelas. No exemplo acima, já que estamos fazendo a junção em “Fruit” e vemos o registro Banana duas vezes nas duas tabelas, você pode pensar em 2 bananas x 2 bananas = 4 bananas.   Se adicionarmos outra linha na nossa entrada à direita, da seguinte forma:   Temos agora 3 x 2, então devemos esperar 6 combinações de registros com “Banana” no campo “Fruit”         Se você fez a junção de duas tabelas e obteve mais registros do que esperava, essa é causa mais provável do problema. Se alguém não entender os casos apresentados acima, isso poderia constranger qualquer banana (trocadilho intencional). Como práticas recomendadas, eu seguiria estes dois passos antes de unir quaisquer tabelas:   1 º : verifique se há registros duplicados nas suas tabelas. Para o caso acima, como temos três duplicatas na nossa entrada à direita, podemos utilizar a ferramenta Exclusivo e nos livrar delas. A saída será exatamente a mesma do Caso nº 2, já que existirá apenas um registro de “Banana” após a ferramenta Exclusivo.   2 º : verifique se fazer a junção por múltiplos campos é a opção mais apropriada. Exemplo: temos a Tabela 1 com dois registros contendo "Banana" em "Fruit" e dois registros contendo "X" em "Store ID", além do "FruitID" que é um identificador para cada fruta em "Fruit".  A Tabela 2 tem os mesmos campos “Fruit” e “Store ID”, mas agora temos um campo “Store employees” associado ao “Store ID”.                                                                     Tabela 1 Tabela 2   Queremos todos esses dados juntos para que tudo fique bem associado.  De forma ideal, deveríamos ter somente quatro registros saindo da nossa junção ao colocar os campos de funcionários da loja (Store employees) e ID da fruta (FruitID) em uma tabela. No entanto, se fizéssemos a junção usando apenas um campo em comum, seja ele "Store ID" ou "Fruit", obteríamos combinações e os dados não seriam alinhados corretamente. Veja abaixo.   Junção em “Fruit”   Nesse caso, obtemos dois registros em que nossos IDs de loja (StoreID) não correspondem.   Junção em “StoreID”   Nesse caso, obtemos dois registros em que nossas frutas (Fruit) não correspondem. Para corrigir isso, configuraremos nossa junção para fazer correspondência em ambos os campos Fruit e StoreID.     Após executar, a tabela "unida" deve ficar assim:   Ao fazer a junção usando múltiplos campos, garantimos que os registros de ambos os campos façam correspondência antes da junção. Uma maneira fácil de entender isso é imaginar que "Fruit" e "StoreID" estão sendo combinados. Agora, de repente, temos registros únicos porque temos Banana X e Banana Y como duas entidades exclusivas e nossa junção se torna uma junção de 1 registro x 1 registro.      
Ver artigo completo
Uma das principais razões pelas quais as pessoas adoram o Alteryx é que ele pode ler um número enorme de diferentes fontes de dados.  Uma limitação é que não é possível ler um documento do Word ou PDF sem uma pequena ajuda de outra fonte.  Por que alguém desejaria fazer isso? Bem, um excelente exemplo seria analisar uma pasta cheia de currículos para pesquisar por um texto específico.  Por que o Alteryx não consegue lê-los de maneira nativa? Esses tipos de arquivo não são formatos de dados padrão, portanto, para lê-los, é preciso primeiro convertê-los em um arquivo de texto sem formatação.  Para a conversão, existe um programa gratuito de código aberto chamado DocToText. Esse programa pode ser executado na linha de comando para converter esses tipos de arquivo em texto sem formatação, os quais o Alteryx pode ler sem problemas. Eu anexei um exemplo a esta postagem.  Esse fluxo de trabalho utiliza uma ferramenta frequentemente subutilizada, a ferramenta Executar comando.  Com a ajuda dessa ferramenta, podemos ler uma lista de arquivos de uma pasta específica, processar as informações em algo que o DocToText possa usar e, em seguida, utilizar a ferramenta Executar comando para converter todos os arquivos para texto sem formatação para utilização posterior.  Incluí no anexo tudo o que você vai precisar (incluindo uma estrutura de pasta que funciona bem com o módulo).  Baixe e extraia o arquivo yxzp anexado, confira o módulo e conte-nos o que você acha! Este exemplo foi atualizado para a versão 10.0. Você observará que o pacote gerará alguns erros de dependência ao extraí-lo. Sem problemas, não haverá erro na execução. Um agradecimento especial a Maureen Wolfson pelo aplicativo base e sugestão! Até a próxima! ~ Chad Siga-me no Twitter! @AlteryxChad
Ver artigo completo
Pergunta Como posso criar uma junção cartesiana dos meus dados? Resposta Uma junção cartesiana, também conhecida como um produto cartesiano, é uma junção de cada linha de uma tabela a cada linha de outra tabela. Por exemplo, se a tabela A tiver 100 linhas e a tabela B tiver 1.000 linhas, a junção cartesiana dessas duas tabelas resultará em 100.000 linhas. Esse tipo de junção pode ser útil quando você precisar produzir um conjunto de dados contendo todas as combinações de duas ou mais tabelas. É possível continuar adicionando à junção acrescentando outras ferramentas Agrupar campos. Basta conectar a saída da primeira ferramenta Agrupar campos à âncora de destino (T, target) de uma segunda ferramenta Agrupar campos e conectar a terceira tabela à âncora de fonte (S, source) da segunda ferramenta Agrupar campos. Siga essa configuração para quantas tabelas forem necessárias.   No exemplo abaixo, um revendedor de automóveis precisava de uma lista de todas as combinações de modelos, cores externas, cores internas e pacotes de opcionais. A junção cartesiana das quatro tabelas ficaria assim:       As tabelas contêm os seguintes dados:                   Veja uma amostra dos resultados do fluxo de trabalho ilustrado acima:     Importante Por padrão, a ferramenta Agrupar campos é configurada para gerar um erro quando há mais de 16 agrupamentos, a fim de proteger o usuário da produção inadvertida de uma quantidade muito grande de registros. Se seus dados tiverem mais agrupamentos do que isso, é possível alterar essa configuração, como mostrado abaixo, para permitir todos os agrupamentos:     Esse fluxo de trabalho, criado na versão 10.6, está anexado.    Obrigado!
Ver artigo completo
O VLOOKUP é uma das funções mais utilizadas do Excel.  O VLOOKUP pega um valor de pesquisa e encontra esse valor na primeira coluna de um intervalo de pesquisa.  A sintaxe da função é completada especificando o número de coluna para retornar do intervalo.  Em outras palavras, o VLOOKUP é uma junção.  Uma coluna de dados é unida a um intervalo especificado para retornar um conjunto de valores desse intervalo.     Esta postagem tem dois objetivos: 1. Demonstrar como um VLOOKUP pode ser feito utilizando o Alteryx. 2. Demonstrar como fazer um VLOOKUP pode ser ainda mais fácil no Alteryx.    Para fins de argumentação, vamos supor que temos duas planilhas em um arquivo do Excel.  A planilha 1 contém uma lista mestra de dados de vendas.  Os dados são estes:       A planilha 2 contém uma lista selecionada de vendedores com nomes e sobrenomes:     Usando uma função VLOOKUP, queremos pegar a lista de vendedores, fazer a correspondência com os vendedores encontrados na planilha 1 e retornar os dados de vendas para cada vendedor.  Observe que nossa lista de vendedores da planilha 2 tem duas vendedoras chamadas "Angelina".  A planilha 1 tem várias pessoas chamadas "Angelina" e "Michael".  Usar somente o nome não retornará resultados confiáveis com o VLOOKUP.  Além disso, fazer a correspondência no sobrenome - ou até mesmo em uma concatenação de nome e sobrenome - tampouco é sempre confiável.  Existem muitos "Michael Thomas" no mundo e podem existir vários em seu intervalo de dados.  A melhor maneira de completar o nosso VLOOKUP é usar um identificador único para cada vendedor.  Mas, novamente, apenas para fins de argumentação, vamos supor que cada combinação de nome e sobrenome produza um nome/identificador único.    A primeira coisa que precisamos fazer é concatenar nome e sobrenome em um novo campo.     Faremos o mesmo com nossos dados na planilha 2.  Para que VLOOKUPs funcionem corretamente, os dados devem ser ordenados.  No nosso caso, ordenaremos a planilha 1 e a planilha 2 em ordem crescente de "Nome concatenado":     Agora estamos prontos para utilizar nossa função =VLOOKUP:     Funcionou! Vejamos como fazer a mesma coisa no Alteryx.  (Dica: existe mais de uma maneira de fazer isso).   Começaremos importando nossos dados das planilhas 1 e 2:       Assim como no exemplo do Excel, concatenaremos nome e sobrenome em um novo campo.  Para efeitos de clareza, vamos chamar o nome concatenado da planilha 1 de "Nome completo" e da planilha 2 de "Novo nome".  Faremos isso utilizando uma expressão da ferramenta Fórmula:         Por fim, vamos anexar uma ferramenta Encontrar e substituir, onde a planilha 2 é anexada à entrada "F" e a planilha 1 é anexada à "R".       A configuração para a ferramenta Encontrar e substituir fica assim:     Observe que "Sales" (vendas) é selecionado em "Agrupar campo(s) ao registro".  Ao executar o fluxo de trabalho, obtemos os dados de vendas por cada vendedor, exatamente como fizemos no Excel:      Mas existe uma maneira ainda mais simples de fazer um VLOOKUP no Alteryx! Basta unir as duas planilhas com uma ferramenta Junção.       Veja como a ferramenta Junção é configurada:     Unimos nossos dados por Nome e Sobrenome sem ter que concatenar os dois campos primeiro.  Além disso, selecionamos os dados de vendas que desejamos retornar na mesma ferramenta Junção.       O Alteryx tem uma vantagem sobre a função VLOOKUP do Excel.  Vamos supor que você deseja retornar Vendas e Oportunidades.  Com o Alteryx, isso pode ser feito com uma única Junção.  Com o Excel, precisaríamos fazer vários VLOOKUPs.
Ver artigo completo
Frequentemente, ao importar dados para o Alteryx, muitos usuários adicionam uma ferramenta Selecionar para verificar o tipo e a estrutura dos dados. Os tipos dos dados são muito importantes, pois as operações/funções disponíveis nas ferramentas podem ser ajustadas para se adaptarem ao tipo de dados que está sendo utilizado!   Por exemplo, ao utilizar a ferramenta Filtrar básica, um campo de cadeia de caracteres será preenchido com operadores de cadeia de caracteres, como "Igual a" ou "Contém", enquanto um campo numérico terá operadores como ">=" ou "É nulo".   Como verificar/alterar seus tipos de dados?   Ferramenta Campo automático      Utilize a ferramenta Campo automático para avaliar seu conjunto de dados em cada execução e deixe que o Alteryx decida qual deve ser o tipo e o tamanho. À medida que seus dados forem alterados, a ferramenta Campo automático ajustará o tipo e o tamanho definidos. Isso é especialmente útil para acelerar o processamento de dados porque o Alteryx procurará atribuir o tamanho e o tipo de dados mais eficientes. Essa ferramenta não é perfeita e, em alguns casos, é possível que você não queira que o Alteryx decida. Por exemplo, um campo de CEP será exibido para o Alteryx como números e o Alteryx o definirá como um tipo de número, fazendo com que você perca todos os zeros no início dos CEPs de Massachusetts. Nesse caso, seria melhor utilizar uma ferramenta Selecionar.   Ferramenta Selecionar     Com a utilização da ferramenta Selecionar, o Alteryx não avalia os dados e os dados que não se ajustarem ao novo tipo especificado serão substituídos por [Null]. Ao decidir sobre o tamanho do campo, certifique-se de que você sabe o comprimento da cadeia de caracteres, pois ela será truncada se exceder o comprimento especificado. Para os tipos numéricos, o tamanho não é configurável, mas é possível usar o decimal fixo (FixedDecimal) se desejar precisão. Os dados muito longos são arredondados (normalmente para 6 casas decimais).     Os decimais fixos são a exceção - você utiliza o formato de comprimento do número e um ponto seguido pelo número de casas decimais.   O que acontece quando importo meus dados para o Alteryx? Os tipos de dados são aplicados a toda a coluna/campo e a cada valor dentro dessa coluna. O Alteryx irá mapear automaticamente os tipos recebidos de bases de dados e arquivos estruturados (Excel) e definir o melhor tipo dentro de uma tabela do Alteryx.   Tipos de dados de cadeias de caracteres As cadeias de caracteres são tudo aquilo que você quer manter como está. Uma cadeia de caracteres (String) é qualquer combinação de caracteres, alfanuméricos e símbolos. Você também utilizará um tipo String se o campo for de valores mistos, com números em uma célula e palavras em outra. String e Wstring têm comprimentos definidos. Os tipos V_string são variáveis em comprimento. A quantidade de memória reservada para processamento varia. Wstring captará caracteres internacionais, como japonês ou chinês. V_String é vantajoso porque é flexível o suficiente para não truncar os campos, mas também maximizará o tempo de processamento devido ao ajuste do comprimento das cadeias de caracteres.   Tipos de dados numéricos Números ou campos numéricos contêm apenas números. TENHA CUIDADO com tipos de campos numéricos e valores com zeros à esquerda (como 01 - o zero é descartado e o número aparecerá apenas como 1). Tenha isso em mente se estiver trabalhando com CEPs. Byte é um número inteiro pequeno. Integer é um número inteiro em que 16, 32 e 64 são o tamanho do número (números maiores precisam de mais espaço). FixedDecimal é normalmente utilizado para valores monetários, no entanto, você deve ficar atento a números que serão usados em cálculos e acumulados. Float e Double são os números mais precisos, porém, eles não são bons para comparação quando você está tentando ver se um valor é igual a outro.   Tipos de dados de data e hora O formato de data e hora do Alteryx é específico e pode exigir alguma manipulação nos dados para que fiquem no formato do Alteryx e seja possível utilizar as funções de data e hora em uma ferramenta Fórmula. Os formatos são: Date – AAAA-MM-DD Date Time: AAAA-MM-DD HH:MM:SS Time: HH:MM:SS   Às vezes pode ser difícil trabalhar com datas; por isso, temos algumas ferramentas excelentes que podem ser utilizadas para colocar seus campos de data no formato do Alteryx.   Macro DataHora A ferramenta DataHora transforma dados de data/hora de e para uma variedade de formatos, incluindo formatos que podem ser usados em expressões e que sejam legíveis por humanos. @AlexKo Macro Analisar datas Com o peso de 55 ferramentas do Alteryx, essa macro está chegando entre as 5 mais baixadas do Alteryx Gallery. Esta macro irá evitar muitas dores de cabeça durante a análise de datas e tornar o trabalho com datas divertido! Tipos de dados booleanos Booleano significa simplesmente verdadeiro ou falso e é útil para sinalizar dados. Sinalizador condicional, em que 1 = verdadeiro e 0 = falso   Tipos de dados de objetos geográficos Objetos geográficos são objetos espaciais como centroides e polígonos utilizados para mapeamento. O Alteryx pode importar objetos geográficos de tipos de arquivos de dados como osESRI Shapefiles. Contudo, se você tiver uma latitude e uma longitude no Excel, é possível utilizar nossa ferramenta Criar pontos para criar objetos geográficos no Alteryx. Se desejar obter mais informações sobre tipos de dados, consulte nossa Ajuda do Alteryx  
Ver artigo completo